Sistema ensina a recuperar área degradada

Orientar o produtor rural na recuperação e recomposição de áreas degradas e realizar monitoramento da redução dos gases de efeito estufa na agropecuária são os principais objetivos de duas plataformas lançadas, nesta quarta-feira, em Brasília, pelos ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

A Plataforma Multi-institucional de Monitoramento das Reduções de Emissões de Gases de Efeito Estufa na Agropecuária (Plataforma ABC) e WebAmbiente são consideradas ferramentas fundamentais para a viabilização do Novo Código Florestal e do Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação à Mudança do Clima para a Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura (Plano ABC), bem como para o cumprimento de compromissos internacionais assumidos pelo Brasil.

Para o secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente, Edson Duarte, o lançamento dessas ferramentas significa, na prática, ações e iniciativas que irão colaborar para uma economia de baixo carbono competitiva. “As agendas ambiental e agrícola têm que caminhar juntas, como caminham naturalmente. Ao proteger as florestas, garantimos regime de chuvas no país, o que é fundamental para manter essa potência agrícola que é o Brasil”, disse.

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, também reforçou a importância de uma agenda conjunta entre meio ambiente e agricultura e destacou que com as duas ferramentas será possível monitorar e comprovar, com dados, os efeitos das ações brasileiras na agricultura e no meio ambiente. “O Brasil está muito à frente do resto do mundo nas discussões relacionadas a meio ambiente e clima. E agora, com essas ferramentas, poderemos comprovar o que estou dizendo”, frisou.

WEBAMBIENTE

WebAmbiente é um sistema de informação interativo que tem como objetivo apoiar o produtor rural na recuperação e recomposição de áreas degradas de Área de Preservação Permanente (APP) e Reserva Legal. A ferramenta faz recomendações personalizadas ao produtor rural para recompor a paisagem nativa de sua propriedade, tudo de acordo com o Código Florestal. Trata-se do maior banco de dados do país, contemplando mais de 780 espécies nativas.

De acordo com a secretária de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do MMA, Juliana Simões, a plataforma disponibiliza informações de como o produtor rural pode trabalhar para fazer a recomposição de áreas degradas, aponta as melhores tecnologias para que ele faça essa recuperação e também indica as espécies mais adequadas à área que será recuperada.

“O cadastro é muito simples e é uma forma do produtor ter mais sucesso no planejamento da recuperação da área. Na própria plataforma são levantados riscos e a ferramenta mostra formas de contornar esses ricos. Isso possibilita que produtor obtenha sucesso na execução e redução de gastos”, explicou.

A iniciativa foi articulada pela Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do MMA, em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

PLATAFORMA ABC

A Plataforma ABC vai permitir o monitoramento das emissões de gases de efeito estufa na agropecuária brasileira, bem como da dinâmica de estoque de carbono no solo.

A ferramenta possui papel estratégico na avaliação do desempenho geral do Plano ABC e dará mais transparência ao monitoramento das ações relacionadas aos compromissos internacionais assumidos pelo Brasil para redução de emissões de gases causadores do efeito estufa.

 

Fonte: http://noticias.ambientebrasil.com.br/clipping/2018/03/29/142710-sistema-ensina-a-recuperar-area-degradada.html

 

Postagem: Blanche Sousa Levenhagen – Ecobio/kastor Consultoria Ambiental – Laudos de fauna e Caracterização de Vegetação, Licenciamento ambiental, regularização ambiental, projetos de recuperação de área degradada, projetos de compensação ambiental, PGRCC, PGRS, TCRA, TAC, TCA (prefeituras) PCA (Projeto de Compensação Ambiental), relatórios ambientais, processos DAEE, INCRA, DEPAVE, SEMASA.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *